As homenagens do SESC a Bartolomeu Campos de Queirós aconteceram ao longo do ano de 2012. A revista Palavra publicou um dossiê completo, com entrevistas, depoimentos e análises de especialistas e  companheiros do escritor, falecido em janeiro de 2012.  Frei Betto, Ana Maria Machado e Ruth Silviano Brandão, entre outros, brindaram a terceira da edição da revista.  O dossiê contou ainda com reflexões criticas sobre a obra de Bartolomeu e uma investigação minuciosa sobre as origens do MBL. Lançada a revista, vieram as palestras, como a que aconteceu durante a 10a FLIP, na Casa SESC de Cultura de Paraty, ou a que ocorreu no final de novembro, na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro. Estes eventos contaram com a participação de Áurea Alencar, secretaria executiva e fundadora do MBL, bem como de Francisco Gregório Filho, amigo do poeta e companheiro na luta pelo direito à literatura.  Em um trecho da entrevista publicada na Revista Palavra, Bartolomeu resume sua motivação para a criação do Movimento por um Brasil literário: “Se a criança chega em casa e não encontrar nem o pai, nem a mãe e nem avó lendo, como é que a escola quer que ela leia? Precisamos de uma sociedade inteira envolvida nesse trabalho de formação de leitor”.

O SESC, notoriamente comprometido com a literatura e a formação do leitor, é o mais novo parceiro do MBL. As afinidades são evidentes e é com muita satisfação que o MBL sela essa união. Peça fundamental para a criação de uma Rede por um Brasil literário, o SESC está presente em todos os extremos do país, contribuindo para o bem estar e a qualidade de vida dos brasileiros. Que a literatura esteja entre as prioridades desta instituição é apenas mais um sinal de que se trata de uma parceria muito positiva. Agora o SESC passa a fazer parte do MBL, assumindo o compromisso de contribuir para fazer do Brasil um pais de leitores, como sonhava Bartolomeu, como sonham todos os participantes deste movimento, que a sua maneira, contribuem para a concretização desse ideal.

A primeira ação resultantes da pareceria será a reimpressão do Manifesto, a ser distribuído em toda a rede nacional do SESC. Dessa  maneira, acredita-se que o texto de autoria de Bartolomeu  Campos de Queirós chegue aos brasileiros nas mais diversas situações. Acreditamos com isso, conseguir despertar o olhar de mais e mais pessoas para o valor social da literatura.

Deixar comentário