Rejane Souza, coordenadora do Núcleo, enviou para nós um depoimento sobre a I FLINÍSIA, confira!

“A região de Nísia Floresta, apesar do grande potencial cultural existente, e prestar a homenagem ao nome da cidade de sua filha mais ilustre, que atuou nas mais diversas áreas: educação, jornalismo, literatura, sendo a pioneira na divulgação da linha feminista no Brasil, ainda não tinha sido palco de nenhum evento de grande expressão literária e cultural, por isso, a I Feira Regional de Literatura de Nísia Floresta, que ocorreu na cidade nos dias 24 e 25 e abril de 2015, foi de fundamental importância para fomentar a cultura local e estimular a comunidade ao gosto da leitura literária e a arte de artesanato.

O evento foi idealizado por Rejane de Souza, filha da terra e uma incansável militante nas questões referentes à literatura e à cultura, como instrumento de cidadania.  A realização foi fruto de parceria entre a Biblioteca Comunitária Dona Mariinha – Núcleo de Literatura Nísia Floresta, consolidado pelo Movimento por um Brasil Literário – Paróquia Nossa Senhora Do Ó – na figura do Padre Ajosenildo Nunes – Studio na Ponta do Pé –, e coletivos de escritores e leitores de histórias.

A Feira Literária, mesmo sendo a primeira edição, se impôs como evento de grande porte. A comprovação disso pode ser justificada pela construção coletiva da programação, com o pronto acolhimento dos patrocinadores, parceiros e colaboradores na realização do evento. Outro ponto marcante para o sucesso da Feira Literária foi a significativa colaboração da classe de jornalistas e blogueiros do RN e de também de outros Estados como Pernambuco e Rio de Janeiro, que divulgaram o projeto nos mais diversos canais: redes sociais, blogs – TV e material impresso. E, nesse clima, a cidade de Nísia Floresta representou, de fato, uma homenagem à região e à escritora homônima, uma das mulheres mais importantes do século XIX.”

 

Saiba mais sobre o Núcleo: http://www2.brasilliterario.org.br/pt/nucleos/encontre-o-seu-nucleo/ponto-de-leitura-biblioteca-comunitaria-dona-mariinha

 

Deixar comentário