O Sarau envolveu artistas, pesquisadores, universitários e um público variado. O mote foi uma criação audiovisual coletiva, a partir do tema das mudanças climáticas, da seca, das inundações. “O espaço do MIS foi tomado por cachoeiras de pano, simulações digitais de mar, exposição de sons e sentidos. Criamos um rio que desembocava na rua, cheio de poemas, mini-contos, livros e imagens produzidas e/ou selecionadas pelo Coletivo”, conta o relato do Núcleo.

A nascente do rio era de uma Cabaça, utensílio utilizado no armazenamento e transporte da água e símbolo da criação do mundo e das águas na cultura iorubá. E, por entre o rio, foram declamados poemas: “A participação do Coletivo Fabulografias na exposição foi inundada de sensações e reconstruções. O espaço incorporou o devir do momento, expresso através do rio que comungou poesia, imagens, cheiros e música e envolveu as pessoas ali presentes num transe: a voz virou o instrumento, o instrumento poesia, a poesia imagem, a imagem cheiro”.

Além disso, o Núcleo Fabulografias foi convidado a participar de um evento de capacitação sobre ensino com foco em africanidades, buscando a descolonização e combate ao racismo presente em todas as esferas sociais, inclusive na do ensino. O público era composto por professores coordenadores da Diretoria de Ensino Campinas Leste. “Uma aluna vestida com traje do seu terreiro Candomblé falou de sua religião e convidou a todos para irem até a casa dela conhecerem de perto toda essa riqueza que resiste. Foi muito axé!”, conta o relato do Núcleo. Dentro da proposta de promoção da leitura literária, foi montada uma exposição com imagens criadas em outras oficinas, poemas, mini-contos, livros e instrumentos.

Sobre o Núcleo

O Núcleo de Leituras Fabulografias possibilita o contato de jovens de escolas públicas e de comunidades não-escolares com as dimensões estéticas da literatura e das artes visuais – cinema e fotografia – e estimula a criação com palavras e imagens, em especial, com a poesia e com a fotografia. Propõe-se também aproximar os jovens da literatura de países africanos de língua portuguesa em seu íntimo diálogo com a literatura brasileira, a partir do contato com obras literárias e produções de cinema.

Saiba mais sobre as atividades do Núcleo: http://fabulografias-alb.blogspot.com.br/

Deixar comentário