Movimento levou o debate sobre sua Rede de Núcleos, à luz da ideia da literatura como direito inalienável

“Um movimento se faz de muitos e diversos gestos em torno de uma ideia. Aqueles que partilham da convicção de que a leitura de literatura é um direito inalienável e tem papel central na construção de humanidades são convidados a formar e integrar a Rede de Núcleos do Movimento por um Brasil Literário”, este foi o assunto de conversa da mesa da qual o Movimento por um Brasil literário participou no 20° Congresso de Leitura do Brasil (COLE), no dia 14/07, representados pela conselheira do Movimento, Christine Fontelles e, pela coordenadora do Núcleo Biblioteca Comunitária “Mar&Livros” (Prado, BA), Maria Angélica Almeida.

Maria Angélica afirmou que a participação do Núcleo no COLE gerou repercussão de impacto na Vila de Cumuruxatiba. O Núcleo deve receber neste mês a doação de um computador para a biblioteca. A Biblioteca Comunitária recebeu o nome de “Mar & Livros” , porque o povoado encontra-se à beira-mar. Durante toda a vida de Maria Angélica, foi apaixonada pelos livros e sempre que podia comprava-os. Com um acervo de mais 300 livros, sentiu a necessidade de compartilhá-los com a comunidade, fundando a biblioteca comunitária.

Ainda, o Núcleo de Literatura da Associação de Leitura do Brasil (ALB), Núcleo MBL em Campinas, realizou a exposição “Oficinas de Experimentação com palavras e imagens”, fruto de seu percurso já de três anos possibilitando o “contato de jovens de escolas públicas e de comunidades não escolares com as dimensões estéticas da literatura e das artes visuais, e estimulando a criação com palavras e imagens, em especial com a poesia e a fotografia”, como explica a apresentação da exposição. Veja abaixo galeria de fotos:

O 20º Congresso de Leitura do Brasil, com o tema “nas dobras do (im)possível”, abriu-se como espaço de discussão, troca e proliferação de experiências que apontem para os processos inventivos, criativos, imaginativos da leitura.

Com autores e pesquisadores, suas poetagens e suas escrituras, os participantes foram convidados a partilhar suas tantas experimentações, seus inventos, seus trabalhos, explorando o universo da leitura em olhares atravessados pelo sonho, pelo irreal, pela possibilidade de alcance daquilo que ainda não é, daquilo que está em potência.

Deixar comentário